Mãe é mãe

Estamos em um ano que não me lembro, mas é época de mais um dos enésimos relançamentos do bom e velho Opala. Talvez 1982.

A frente do carro muda radicalmente, e nada mais de novidade. Paulo Almeida, criador da McCann-Erickson, apresenta o filme para o Grupo de Contas, Pesquisa, Gerência da agência. O filme é assim:

Noitinha, bairro bem tranquilo, rua arborizada, casas geminadas, jardinzinho na frente. Um Opala invade a entrada lateral de uma das casas, como que querendo estacionar na garagem. É o marido, chegando de carro novo, fazendo surpresa para a família. Buzina.

Mulher vem à janela e não consegue enxergar nada, ofuscada pelos faróis altos.

Apavorada, ela liga para a polícia, conta que tem um carro estranho tentando entrar na garagem dela. Ela descreve o carro para o policial, em detalhes. Ela vai se encantando com as linhas, aerodinâmica, beleza do carro. A câmera revela o novo Opala, mostra a nova frente, o design. Fim do comercial.

Decisão da Pesquisa é inquestionável: Polícia é uma instituição com graves problemas de imagem e só trará associações negativas à marca Chevrolet Opala. Vale lembrar que estávamos recém saindo dos anos de chumbo da Ditadura.

Mas a ideia é boa. Então vamos mudar: será melhor que a mulher telefone para mãe dela. Mãe é uma figura mais positiva, inspira confiança, dá credibilidade e agrega traços afetivos ao Chevrolet Opala.

Não adiantam as argumentações: sai a Polícia, entra a Mãe no comercial.

Dias depois, apresentação para diretoria da GM. Paulo Almeida conta o filme.

Noitinha, bairro bem tranquilo, rua arborizada, casas geminadas, jardinzinho na frente. Um Opala invade a entrada lateral de uma das casas, como que querendo estacionar na garagem. É o marido, chegando de carro novo, fazendo surpresa para a família. Buzina.

Mulher vem à janela e não consegue enxergar nada, ofuscada pelos faróis altos. Ela liga para a positiva, confiável, crível e construtiva mãe.

Conta que tem um carro estranho tentando entrar na casa dela. Apreensiva, a ilibada mãe recomenda: “Esse negócio de carro estranho tentando entrar na sua casa não me cheira bem. Liga logo para a polícia, filha!” Resignada, a mulher desabafa: “Não posso, mamãe, a Pesquisa não deixa …”

O filme foi produzido pela Nova Films, dirigido pelo Claudio Meyer, um belo lançamento. Com a mulher ligando para a Polícia mesmo.

Afinal, a pesquisa tem que ser sensível, inteligente e sempre a favor da ideia.

Comentários

8 comentários

  1. Enido Michelini

    Paulinho de Almeida, puta criador. Fizemos parte juntos de 1 dos 2 primeiros grupos de criação da McCann SP, ele layoutman eu ilustrador, 1969 acho. Abs Perci.

    Responder

    1. Percival Caropreso

      Michelino, aguarde que virão causos Grumpy. Beijo

      Responder

  2. Clovis La Pastina

    Certa vez, contando um filme para um lançamento da GM na sala do Perci,
    falei que o carro fazia a volta numa praça e o motorista dava uma buzinada.

    Neste momento falei: “Bi-biii”. Na hora, o Perci me interrompeu e disse:
    “Os carros da GM não fazem bi-bi, fazem fom-fom. Quem faz bi-bi é Volkswagen”.

    Lição aprendida.

    Responder

    1. Percival Caropreso

      Hoje em dia o fom-fom vale pra todo mundo. Beijo, Clóvis

      Responder

  3. Ana Quarto

    Bem lembrado. Um dos melhores causos da propaganda brasileira.

    Responder

    1. Percival Caropreso

      Aninha, dá pra imaginar o Paulinho ironicamente contando o roteiro pro cliente. Ainda existe isso hoje? Beijo

      Responder

  4. Bira

    Dessa eu participei ! Bons tempos. Grande Paulo Almeida. Criava a campanha da GM, no mínimo um filme Institucional, “Umbrela ” como falávamos e um para cada linha de automóveis , fora o resto de anúncios impressos, rádio,outdoor etc. Ele apresentava a campanha para os Gringos, num puta cerimonial . sem falar uma palavra em inglês e eles que não falavam português aprovavam sempre ! Lembra disso Percivaldo? E nessa época tinha o Gilberto Barros, na GM, o melhor cliente que atendi na vida, Parceiro em tudo

    Responder

    1. Percival Caropreso

      Grande Bira, bons tempos. Não tem mais Gilberto Barros e tá difícil achar grandes clientes, corajosos. Abração

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *