(Escrito em 2009): Tá faltando sustança

Ando meio cansado dessa conversa de Sustentabilidade.

Na esquina da Rua Alvarenga com o começo da Rodovia Raposo Tavares, em São Paulo, um jovem berra: “Olhaí, simpatia, tem que ser sustentável todo dia!”. E pendura no retrovisor do carro um saquinho de balas:

Sustentabilidade

Um jovem senhor desempregado ganha a vida na esquina da Av. Faria Lima com a Av. Cidade Jardim, reduto da abastança mais do que da sustança, também em São Paulo. Na sua van, um cartaz: “Sanduíches duplamente sustentáveis: sustentam seu estômago e sustentam minha família”.

Até que é boa essa banalização da Sustentabilidade no nosso dia a dia. Pelo menos é melhor do que o uso e abuso da Sustentabilidade nos discursos, propagandas, releases e preces. Sobram palavras, faltam ações concretas.
A Sustentabilidade de verdade é prática: está na revisão do modelo mental e do modelo de gestão, de operação das empresas.

Isso é simples, porque Sustentabilidade é um dos gestos mais antigos e instintivos da Humanidade.

Significa sobrevivência hoje, com a visão de sobrevivência futura. Vem do Latim: SUSTENTARE, manter firme a partir da base. Como o sutiã (soustien). Ou como a gente sustenta nossa família, mantendo os filhos firmes hoje e preparando-os para o futuro a partir de alicerces, fundamentos básicos: proteção, alimentação, saúde, educação.

Um artesão da Idade Média já garantia a sustentabilidade do seu negócio através da compra mais eficiente de matérias-primas, do aumento da produtividade da sua oficina, da melhor distribuição possível da sua produção, de uma conta positiva entre o que ele gastava para produzir e o que ele ganhava com a venda.

Sua visão de futuro só enxergava a preparação de seus filhos para tocar o negócio dali a alguns anos. Já era uma gestão sustentável para a época, na medida em que o negócio prosperava no presente e tomavam-se cuidados básicos para ele continuar prosperando no futuro.

Pouco importava se a água contaminada de resíduos de cobre era despejada no riacho atrás da oficina, que iria chegar até a aldeia lá embaixo. Se árvores eram abatidas para alimentar a fornalha, cuja fumaça jogava fuligem e poluía a aldeia toda. Se a mão-de-obra era praticamente escrava, inclusive com trabalho infantil.

O que vem mudando há séculos é a grande escala desses impactos todos na vida das pessoas e no meio ambiente.
Vem aumentando também o nível de pressão que as empresas recebem para provar seu valor através de práticas concretas de gestão sustentável nos seus negócios e os resultados disso. Os públicos de interlocução estão cada vez mais complexos e exigentes, além da legislação, mais rigorosa.

Esses interlocutores querem ver mais sustança na prática.

Sustentabilidade

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *