A triste história do passarinho rebaixado a General

Foi um mau presságio, aqui pros lados da Granja Vianna, que é a parte chic e privilegiada do município de Cotia.

Há 16 anos vim viver numa Alameda. Uma Alameda com nome de passarinho: Tangará. Há uns 5 anos tudo mudou.

A Alameda Tangará mudou de patente, de posto e de nome: foi condenada a ser Rua e não mais Alameda. Foi rebaixada pra Militar.

Mudou de nome: Rua General Fernando Vasconcellos Cavalcanti Albuquerque. Com todo respeito ao General em questão, que nem conheço porque não achei sua biografia na internet, foi o começo do fim e ninguém se deu conta no início de tudo. Nem eu.

Essa alameda-passarinho era uma rua estreita e sem saída, mas era uma saída para um lugar bonito, tranquilo e em paz, depois de uma estrada penosa, a Rodovia Raposo Tavares.

Hoje essa rua-general é uma formação em ordem-unida, ao longo da qual se perfilam poucas árvores, muitas obras e máquinas, muitos carros estacionados irregularmente.

Hoje essa rua-general sai de uma pseudo-rodovia, a mesma Raposo Tavares, agora uma avenida lenta. Essa rua-general se inicia em um shopping , que está ao lado de um hipermercado, e vem terminar aqui em cima, depois de se estreitar em 1.250 metros de paralelepípedos, um piso permeável, que ainda insiste em absorver a água das chuvas. Um piso que vai acabar logo, porque vem se deformando com o tráfego de caminhões, betoneiras, guindastes gigantescos.

Os últimos metros da ex-alameda e atual rua, por enquanto continuam ladeados por paineiras, cujos flocos nevam de várias cores o caminho em plena primavera tropical. É aqui que eu moro e vivo.

Quem consegue chegar até essas paineiras, enfrenta o transtorno de obras recentes de lançamentos imobiliários. Três? Quatro? Talvez cinco ou mais empreendimentos.

Tanto faz, porque todos eles destroem as promessas que suas próprias propagandas apregoam: Verde, Paz, Tranquilidade, Vida junto à Natureza.

Fico imaginando a vista panorâmica que esses novos granjeiros terão: os quintais de serviço, os varais de roupa, os canis, os fundos das casas de condomínios contíguos, grudados uns nos outros.

Fico pensando de onde virão a água, a energia elétrica, o saneamento, a coleta de lixo, os serviços de correio, as linhas telefônicas, as bandas largas para esses nossos novos vizinhos – afinal tudo isso já nos é escasso e precário hoje.

Fico pensando nos mais de 500 novos carros que circularão todo dia, subindo e descendo a estreita alameda-passarinho que virou rua-general.

Fico pensando nos novos carros, como colegas de asfalto, estáticos e apáticos, engrossando os congestionamentos da Raposo Tavares.

Para denunciar e minimizar a devastação, tentei, de todos os jeitos, usando meu networking com ongs socioambientais e com a mídia, mas a pressão e as denúncias não deram em nada. Nem com as autoridades locais, com a Polícia Florestal ou com outros moradores, vizinhos omissos.

A única vantagem é que a fauna veio buscar refúgio aqui no meu quintal, ainda protegido e farto de vegetação. Saguis, saruês, tatus, lagartos, gaviões, quero-queros, tucanos, anus, bem-te-vis, maritacas, colibris, sabiás, pombas-rolas, pardais, caga-sebos e vira-bostas, pássaros de toda espécie e tamanhos. Inclusive tangarás, claro.

Eles me ajudam a controlar mosquitos e outras pragas, a fecundar meu quintal gerando mais vegetação e, portanto, mais água.

Fico pensando na mensagem do Instituto Socioambiental, o ISA, uma ong séria, que diz: progresso, sim, mas não a qualquer preço.

Fico pensando naquela mensagem de outra ong séria, o Greenpeace: não é esta nossa geração que queria transformar o mundo nas décadas de 60 e 70?

Parabéns, todos nós conseguimos. Por atos ou omissão.

Os metros sobreviventes da Tangará

Comentários

6 comentários

  1. Cristalinas

    Não sei se isso é progresso ou atraso…

    Responder

    1. Percival Caropreso

      Cristalinas, pode ser progresso, mas do jeito que vem sendo feito o custo é muito alto. Beijo

      Responder

  2. Wanda Romana Nascimento

    Realmente sua mensagem diz tudo Perci, infelizmente o progresso está acabando c/ tudo de lindo que temos. Adorei e te admiro muito.

    Responder

    1. Percival Caropreso

      Wanda, pena que é isso mesmo. Beijo

      Responder

  3. Zé Grillo

    Infelizmente, em nome do progresso, vale tudo até a destruição da natureza que sempre nos mostrou o lado lindo da vida.

    Responder

    1. Percival Caropreso

      Verdade, Zé. Tanto é que o seu nome é Grillo. Beijão

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *