2 de Julho não é pra qualquer um

Duas passagens rápidas pela McCann, uma pela agência Pentágono, uma desilusão amorosa e uma oferta de trabalho tentadora da então GFM/Propeg me fizeram mudar e ir trabalhar em Salvador, Bahia. Isso foi em 1974, em pleno 2 de Julho.

Rodrigo de Sá Menezes, dono da agência, era uma figura poderosa no mundo dos negócios e principalmente no mundo da propaganda: grandes clientes, grandes verbas, grande networking.

Rodrigo antecedeu minha chegada a Salvador com matérias, artigos e releases nos jornais locais, meu perfil e biografia (que eram breves e insossos), entrevistas. Um criativo de São Paulo, vindo de uma multinacional, havia sido contratado pela agência local para provocar uma reviravolta profissional e torná-la, a agência, uma operação verdadeiramente nacional.

Me senti uma celebridade, todo cheio de mim aos 23 anos de idade.

Autossuficiente e desavisado, preferi comprar minha própria passagem aérea, descartei um carro que a agência havia colocado à minha disposição e lá fui eu.

Um pouco antes do meio-dia, o avião aterrissa no então Aeroporto 2 de Julho.

Olho pela janelinha do avião e vejo uma banda militar a postos. Vejo uma formação de cadetes em posição solene. Vejo autoridades, bandeiras do Brasil e da Bahia. Uma grande comitiva solene.

“Puta merda, o Rodrigo é mesmo poderoso e minha contratação é mesmo importante pra GFM/Propeg. Tem até recepção oficial!” – pensei eu.

Começo a descer a escadinha do avião um pouco atrás de outros passageiros. A banda militar começa a tocar hinos do Brasil e da Bahia. Eu vou acenando, sorrindo, agradecendo toda a pompa e circunstância com que eu estava sendo recebido.

Engano: aquela cerimônia toda não era pra mim. Era para as autoridades nacionais que saíram antes de mim do avião, políticos, senadores, militares que chegavam a Salvador no dia 2 de Julho para celebrar o Dia da Independência da Bahia do então Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves.

É o feriado local mais importante historicamente eu não sabia.

Só me restou pegar um taxi, fazer o check-in no Hotel do Farol da Barra e brindar a Independência da Bahia com algumas caipirinhas.

O dia seguinte seria meu primeiro dia de trabalho na agência. Incógnito e anônimo pra comunidade local.

Contratando meu próprio chefe

Em 1982, Márcio Moreira, então Diretor Geral de Criação da McCann-Brasil, foi promovido a Diretor Internacional de Criação, liderando o chamado International Team, uma tropa de elite criativa com profissionais de vários países e culturas, baseada em Nova Iorque.

Na época, eu era um reles chefe de um dos Grupos e dividia a Criação da McCann em São Paulo com uma colega.

A agência e o Márcio me promoveram e me colocaram na posição que ele ocupava, a de Diretor Geral de Criação.

Eu tinha 34 anos, levei algum tempo pra entender minha nova função, me impor diante de uma equipe amiga até a página 2, desconfiada da minha capacidade e do meu noviciado. Preocupada também com o futuro dela, a equipe, se me apoiasse.

Pra eles, santo de casa não fazia milagres, principalmente quando o santo tinha nascido profissionalmente lá mesmo na McCann, jogava bola com eles, encarava churrascos juntos, virava noites e fins de semana trabalhando com a equipe.

Chefe que é chefe não faz esse tipo de coisa mundana. Está acima disso tudo.

Eu teria que aprender a ser Diretor Geral de Criação de uma agência daquele tamanho, a primeira no ranking, com uma equipe enorme, na marra ou morreria ali. E quase morri.

De verdade, eu não fui bem no começo, fiquei inseguro, tomei umas decisões equivocadas, conduzi mal a Criação, fui bonzinho e complacente demais.

O Atendimento estava inseguro comigo. Boa parte da equipe de Criação praticamente me boicotou. A outra parte da Criação ficou no aguardo, pra ver se eu iria dar certo.

Por razões óbvias, me impuseram, supostamente como meu deputy, abaixo de mim, um holandês carreirista mais velho, experiente e internacional do Sistema McCann.

Em poucos meses, ele aprendeu o Português, como todo bom holandês invasor, e cativou a equipe. Descobri que ele promovia almoços, jantares e festas pro pessoal da Criação, que começou a cheirar nele o futuro chefe de verdade.

O Perci tinha tudo pra não dar certo e ir embora.

Fiquei cada vez mais pra escanteio, até que um dia um Diretorzão da Nestlé, Sr. Lemos, me chamou num canto e me desafiou:

Ou você toma uma atitude forte ou você vai dançar. Eu não quero que você largue o osso, admiro sua atitude e o seu trabalho. O lugar é seu. Se vire, mas se vire rápido.”

Como eu me virei? Fui procurar um chefe pra mim, contratá-lo pra atuar acima de mim por uns tempos e que me ensinasse a ser Diretor Geral de Criação de verdade.

Por sugestão do Claudio Meyer, diretor de cinema famoso na época e com quem trabalhávamos bastante, pensei no Armando Mihanovich – que eu também admirava muito.

O Armando era um lendário e genial criativo argentino, vivendo no Brasil há décadas, fundador da Júlio Ribeiro Mihanovich no final dos anos 60 e que havia se retirado do mercado de agências há algum tempo.

Armando tinha fundado a produtora de som AvantGard e vivia disso, de trilhas de filmes e brilhantes spots de rádio. Muito criativos, impecáveis tecnicamente.

Expliquei para o Armando que eu queria contratá-lo pra ser meu chefe e professor.

Fiz uma oferta tentadora, com salário maior que o meu, benefícios, total liberdade de horários e carga de trabalho, manutenção da produtora de som em paralelo (desde que os trabalhos não conflitassem com os clientes da McCann).

Nunca vi ninguém tão surpreso quanto o Armando naquela conversa. E ele recusou.

Ele não queria mais nada com o mundo das agências – já naquela época ele achava que a propaganda tinha ficado muito chata, sem talento, pouco criativa, cheia de policies, hierarquias e processos que enchiam muito seu precioso saco argentino.

Tive que aceitar a decisão do Armando.

Mesmo assim, de vez em quando eu recorria a ele pra me orientar em algum trabalho ou situação política dentro da agência, com a equipe e perante os clientes.

O Armando me valeu demais, informalmente e de graça. Sempre disponível, esperto, inteligente, experiente e com grande bom humor.

Eu me fortaleci e ganhei nova energia.

Comprei umas brigas ingratas com a Matriz da McCann e a Direção da McCann local, mandei o holandês embora e segui a vida. Com o aval e apoio dos clientes, principalmente do Sr. Lemos, que havia me alertado, dado força e puxado minha orelha.

Fiquei lá por mais 6 anos, fui promovido a Diretor de Criação para o Brasil e depois para a América Latina e Caribe.

Saí da McCann pra ser sócio do Claudio Meyer, na premiada Nova Films, excelente produtora artesanal de filmes. Aprendi muito e dois anos depois voltei pra McCann.

Mas essa é outra história, que rende muitos outros Causos.