AS HIENAS ESTÃO À SOLTA: TEMPORADA 2 (A PARTIR DE CRIS DEL NERO)

Pra quem não leu a primeira temporada de “As Hienas estão à solta”, explico que Hienas são frases bizarras, capturadas no dia a dia da agência na relação interna e com seus parceiros.

Frases que, fora do contexto em que foram cometidas, parecem bobagens. Outras, são bobagens mesmo, por elas mesmas. Enfim, as Hienas todas são tolices que divertem.

Pelo retorno que recebi no Blog, muita gente gostou e se viu retratada na TEMPORADA 1 das Hienas (se alguém perdeu, vale a pena buscar no Blog a Primeira Temporada).

Aqui começa a Segunda Temporada com uma Hiena de minha própria autoria, capturada tardiamente por mim mesmo no post da Primeira Temporada.

Eu escrevi “Divirtam-se com esta primeira manada de Hienas.”

Errado. Hienas andam em bandos, chamados de matilhas ou alcateias.

Agora a Cris del Nero vai contar mais algumas outras Hienas antigas, que ela veio caçando no dia a dia da agência McCann-Erickson.

“Eu tô fazendo de tudo pra acalmar o mercado. Já mandei a minha filha abaixar o som.” (Criação)

“Você pode escolher todas as cores, mas só tem branco.” (Cliente)

“Eu criei uma campanha legal com os 7 Mandamentos.” (Criação)

“Está na hora de começar a introduzir na mãe.” (Cliente)

“Meu, a gente se conhece tanto e há tanto tempo, que já faz xixi de perna aberta.” (RTV)

“Isto é um absurdo pelo absurdo. Só vale, se for um absurdo que faça sentido.” (Cliente)

“À noite o cara tem que voltar para a prisão. Ele é um preso alienado.” (Criação)

“Precisamos criar alguma coisa estática, mas que seja dinâmica.” (Cliente)

“Ele só gagueja quando tem que falar.” (Atendimento)

“Temos que tomar uma decisão anterior.” (Cliente)

“A reunião foi metade em inglês, metade em espanhol e metade em português.” (Atendimento)

“Temos que introduzir o biscoito nas donas de casa.” (Cliente)

“A estrada era sunuosa, ou melhor, suntuosa … ai, meu caralho, ela era toda curvada”. (Criação)

“Precisa ter um elemento incomum, apesar de ser bem comum, que marque a campanha.” (Cliente)

“Corria o ano de 1959. O Brasil crescia 5 anos em 5.” (Criação)

“Mas que música nós vamos gravar do outro lado do cd?” (Cliente)

“Nós vamos fazer um abaixo assinado anônimo.” (Atendimento)

“Vou te mandar a referência de cor por fax.” (Cliente – e o pior é que ele mandou mesmo)

“Ainda não é outono, mas não param de cair folhas na minha mesa pra eu assinar!!” (Gerência da Agência)

“Dá pra aumentar o logotipo nesse spot de rádio?” (Cliente)

“Mandaram fazer autópsia pra provar que o cara não morreu.” (Atendimento)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AS HIENAS ESTÃO À SOLTA: TEMPORADA 1 (A PARTIR DE CRIS DEL NERO)

Quando voltei à McCann pela quarta e última vez, em 1991, me deparei com a Cris del Nero. Pouco mais de um metro e meio de talento, ironia, sarcasmo e um gênio briguento. Excelente criadora e redatora.

De cara, trombamos de frente. Descobri que eram dela umas brincadeiras provocadoras espalhadas pela agência, comentários, opiniões, textos sódicos e sádicos. Mas todos muito bons.

Só que eu, chegando como Gerente Geral e Diretor de Criação, ingenuamente acreditei que aquilo roubava horas de trabalho da Cris e da turma que se divertia com os textos.

Logo descobri que aquelas brincadeiras da Cris energizavam a equipe de Criação e a agência toda. Além de desopilar e energizar a própria Cris.

É ela que conta um pouco e uma parte desses textos:

“Nos anos 80, assim que comecei a trabalhar na Standard Ogilvy, o quê mais me chamou a atenção foram uns post-its colados nas paredes da Criação.

Eram frases absurdas e engraçadas, chamadas de Hienas de Arame, uma referência irônica aos Leões de Cannes, tão sonhados pela maioria.

Imediatamente, entrei na história, ajudando o pessoal da Standard a coletar essas besteiras ditas e escritas por todo mundo no dia a dia da agência.

Depois soube que a Hiena tinha sido ideia do Ivan Rotundo, redator da Standard e que também havia trabalhado na McCann bem antes de mim.

Depois, quis o destino que eu passasse boa parte da minha vida como redatora da McCann e é claro que eu levei as Hienas comigo.

Foi um sucesso total, as pessoas até entregavam as próprias besteiras e, em pouco tempo, eu tinha centenas de Hienas guardadas. Elas viraram até um livrinho e um pôster, feitos por mim e pela Gabriela Guerra.

Agora elas estão de volta. São Hienas capturadas em reuniões ou tiradas de e-mails, briefings, conversas, telefonemas, etc. Afinal, as Hienas foram responsáveis pela criação de uma válvula de escape, numa profissão que deixa a gente louco, mas que no fundo a gente adora.

Divirtam-se com esta primeira manada de Hienas:

“Quero que vocês façam um anúncio com o mapa do Brasil na horizontal.”(cliente)

“Este é um ano de vacas anoréxicas.” (RTV)

“O importante não é rejuvenescer a imagem. É tornar mais jovem.” (cliente)

“A idiotice é uma espécie de pós-graduação da burrice.” (Criação)

“Eu não tenho um tipo preferido de homem. Eu tenho pressa.” (Atendimento)

“Não vejo nenhuma relação entre terra e campo.” (Cliente)

“Eu estou marcando a reunião para domingo às 18h, que é pra não atrapalhar o fim de semana de vocês.” (Presidente da Agência)

Quero fazer uma ação de merchandising no programa “Vale a pena ver de novo”. (Cliente)

“A água estava zero grau abaixo de zero.” (Atendimento)

“Quero desconto regressivo em cima do aumento que não houve.” (Cliente)

“Sabia que o Tiranossauro Répteis é um réptil?” (Atendimento)

“Não leve em consideração os pedidos do cliente.” (Cliente)

“Eu vou dar uma festa tão boa que vai dar até reunião de condomínio.” (Criação)

“Vocês têm que fazer um anúncio que não pode falar nada, mas os caras têm que entender tudo.” (Cliente)

“Ô, rapaz, é mesmo! Aquele jogo foi inesquecível, eu nem me lembrava mais.” (Criação)

“Está na hora de começar a introduzir na mãe.” (Cliente).

Este é só o começo. Não perca a TEMPORADA 2 das HIENAS, logo mais!