Boa noite, John-Boy. Boa noite, Mary Ellen…

Durante longos anos, todos os americanos que chegavam à McCann Brasil eram chamados de “Os Waltons” por todos nós. Fossem expatriados pra longos períodos conosco, fossem visitantes de alguns dias. Todos eram “Os Waltons”.

Pode colocar no Google: OS WALTONS. Você conhecerá uma série de TV dos anos 70, sobre uma típica família americana, vivendo simploriamente em uma fazenda no interior da Virgínia durante a Grande Depressão e a Segunda Guerra Mundial.


Os Waltons eram felizes, como convinha ser uma família de seriado americano da época. Vovô e Vovó, Papai e Mamãe, sete filhos comportados e exemplares.

O final de todo episódio era sempre o mesmo. O casarão da fazenda Walton à noite, céu estrelado e as luzes de cada janela se apagando ao som repetitivo de “Boa noite, John-Boy. Boa noite, Mary Ellen. Boa noite, Elizabeth…”

Fiz minha primeira viagem internacional em 1977, com 26 anos nas costas e muito pouco Inglês na língua. Um Inglês bem raso e eminentemente automotivo.

Eu havia aprendido com Gary Spedoske, meu diretor de criação americano no Grupo GM da McCann. Eu era fluente em windshield, steering wheel, bumpers, trucks and trunks, valves, engines, dashboard e que tais.

Testei meu Inglês supostamente coloquial nessa primeira viagem, logo pra Nova Iorque. Ou New York, como contei pra minha mãe e meu pai.

Pra minha decepção, o funcionário que me atendeu na Imigração em New York era português e insistiu em falar Português comigo. Nada de Inglês so far.

Peguei as malas, cheguei no hall do aeroporto e quem me esperava lá? Ted Sabba, um judeu americano com quem eu havia trabalhado na McCann-Rio durante dois anos.

O Ted, acompanhado de sua mulher, era louco pelo Brasil, onde havia vivido uns cinco anos. Ted estava ansioso pra voltar a praticar o bom, velho e querido Português. Nada de Inglês so far.

No check-in do hotel, dispensei a ajuda do Ted, mas caí com um brasileiro no front desk: bem-vindo, preencha esta ficha, aqui está a chave do seu quarto, etc. Nada de Inglês so far.

Dormi um pouco e me arrisquei a almoçar sozinho na primeira Deli que encontrei, logo na esquina do hotel. Enfim, sós, New York, o Inglês e eu.

Fui atendido por um jamaicano ou haitiano mal encarado e de mau humor, que rosnou qualquer coisa que não entendi. Aquilo não era o Inglês que eu queria praticar.

Escolhendo no cardápio, evitei os hambúrgueres, as saladas e obviedades do gênero. Eu queria algo americano mesmo, eu queria pedir minha comida americana em Inglês!

Pronto, escolhi eggplant: omelete de ervas, deduzi eu.

Minha decepção, em qualquer idioma, foi quando o tal garçom me jogou um prato de berinjela recheada com carne, à parmegiana. Porra, não era isso que eu queria, mas era a isso que meu ingênuo Inglês conseguia chegar.

Depois de algumas semanas em NY e meu Inglês melhorando, segui meu treinamento profissional em Troy, um subúrbio de Detroit. O reduto máximo da indústria automobilística da época, sede de todas as grandes montadoras americanas.

Fiquei lá uns 4 meses só falando de carro, só vendo carro, só criando pra carro, só lidando com carro. Até minha primeira reunião com o cliente, a GM local.

Junto com a equipe da McCann Detroit, fui quietinho, como bom treineiro.

Entramos numa gigantesca sala de reunião, repleta de americanos, todos muito parecidos, altos, loiros, olhos azuis, muito educados, gentis.

Fui apresentado como “our man in Brazil, who is here to learn”.

Aí cada um dos americanos começou a se apresentar e a me dar as boas vindas, um a um.

“Hi, Mary… Hi, John… Hi, Marianne… Hi, Elizabeth… Hi, Jason…”

Pronto, eram todos os Waltons. Só faltaram as luzes da cada janela se apagarem.

Voltei pro Brasil meses depois, contei essa história pra minha equipe daqui.

A partir daí, todos os americanos que chegavam à McCann Brasil eram chamados de “Os Waltons” por todos nós. Fossem expatriados pra longos períodos conosco, fossem visitantes de alguns dias.

Todos eram “Os Waltons”.